quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

Luto: sem adeus e sem abraço...

 



Como podemos atravessar o luto sem um adeus, sem um abraço?

Parece-me que o luto chamado patológico será uma das maiores dificuldades que o campo da saúde mental irá enfrentar nestes tempos de pandemia.

 Vivemos um momento em que as crianças não podem abraçar os avós, os filhos não podem abraçar os pais, os jovens não podem abraçar os namorados, os amigos, e não nos podemos despedir com um abraço daqueles que amamos.

Teremos lutos para fazer pela perda de alguém próximo, mas também pela perda destes meses (anos?) sem os nossos por perto, de momentos de partilha durante um passeio, um café, um jantar, em festas, aniversários, casamentos e funerais.

Os rituais fúnebres são essenciais para dizer adeus e começam bem antes do funeral propriamente dito, são os últimos olhares, as últimas palavras, os últimos momentos que acompanham e confirmam a despedida. Eu perdi alguém muito próximo este Verão, vítima de outra doença igualmente cruel, e felizmente pude estar presente no funeral, despedir-me e partilhar memórias com alguns familiares. Um dos desafios do meu luto passa por aceitar que essa pessoa faleceu sozinha no hospital e sobretudo que não a pude abraçar desde Março porque tinha medo de lhe transmitir Covid-19. Haverão um sem fim de histórias semelhantes, outras com contornos ainda mais tristes de famílias e amigos que não puderam homenagear e despedir-se dos seus mortos.

No outro dia uma amiga comentava que notou um aumento de manifestações de luto entre as suas amizades numa das redes sociais, precisamos de reinventar formas de simbolizar estas perdas, de pôr palavras nesta dor, de novos rituais de luto.

 A sabedoria popular diz-nos que o tempo cura tudo, o (excessivo) otimismo moderno diz-nos que vai ficar tudo bem, eu diria que é necessário falar e não enterrar estas perdas. Falemos delas para que os lutos possam ser feitos, para que possamos reconstruir as nossas vidas e integrar tudo o que nos foi arrancado, direta ou indiretamente, por este vírus.




Sem comentários:

Publicar um comentário